quinta-feira, 24 de março de 2011

A Cortina do Eu

             
             Em verdade, estudamos com o Cristo a ciência divina de ligação com o Pai, mas ainda nos achamos muito distantes da genuína comunhão com os interesses divinos. 
             Por trás da cortina do "eu", conservamos lamentável cegueira diante da vida. 
             Examinemos imparcialmente as atitudes que nos são peculiares nos próprios serviços do bem, de que somos cooperadores iniciantes, e observaremos que, mesmo aí, em assuntos de virtude, a nossa percentagem de capricho individual é invariavelmente enorme.
             A antiga lenda de Narciso permanece viva, em nossos mínimos gestos, em maior ou menor porção. 
             Em tudo ou em toda parte, apaixonamo-nos pela própria imagem. 
             Nos seres mais queridos, habitualmente amamos a nós mesmos, porque, se demonstram pontos de vista diferentes dos nossos, ainda mesmo quando superiores aos princípios que esposamos, instintivamente enfraquecemos a afeição que lhes consagrávamos. 
             Nas obras do bem a que nos devotamos, estimamos, acima de tudo, os métodos e processos que se exteriorizam do nosso modo de ser e de entender, porquanto, se o serviço evolui ou se aperfeiçoa, refletindo o pensamento de outras personalidades acima da nossa, operamos, quase sem perceber, a diminuição do nosso interesse para com os trabalhos iniciados. 
             Aceitamos a colaboração alheia, mas sentimos dificuldade para oferecer o concurso que nos compete. 
             Se nos achamos em posição superior, doamos com alegria uma fortuna ao irmão necessitado que segue conosco em condição de subalternidade, a fim de contemplarmos com volúpia as nossas qualidades nobres no reconhecimento de longo curso a que se sente constrangido, mas raramente concedemos um sorriso de boa-vontade ao companheiro mais abastado ou mais forte, posto pelos Desígnios Divinos à nossa frente. 
            Em todos os passos da luta humana, encontramos a virtude rodeada de vícios e o conhecimento dignificante quase sufocado pelos espinhos da ignorância, porque, infelizmente, cada um de nós, de modo geral, vive à procura do "eu mesmo". 
             Entretanto, graças à Bondade de Deus, o sofrimento e a morte nos surpreendem, na experiência do corpo e além dela, arrebatando-nos aos vastos continentes da meditação e da humildade, onde aprenderemos, pouco a pouco, a buscar o que pertence a Jesus Cristo, em favor da nossa verdadeira felicidade, dentro da glória de viver. 
 

    Emmanuel
extraído do livro "Fonte Viva"-Ítem 101 - Francisco Cândido Xavier

Um comentário:

  1. Excelente reflexão nos proporciona estas palavras de Emmanuel...um verdadeiro exercício de humildade, que serve para todos nós.
    Beijinhos e lindo sábado amiga
    Valéria

    ResponderExcluir

Meus queridos amigos!
Obrigada pelo carinho e atenção de todos vocês!
Seus comentários são muito importantes pra mim.
Beijinhos

Pris

De Volta para Casa

Recebi esse vídeo hoje de uma amiga muito querida e gostaria de compartilhar com vocês. Esse vídeo me fez repensar sobre vários aspectos da...