sábado, 27 de fevereiro de 2010

Melhorar Só Depende de Nós


Muitas pessoas põem nas mãos dos outros sua felicidade, sua melhora em uma doença e até mesmo o amor.

Sempre ouvimos alguém dizer:- Não fui feliz porque o outro não deixou, ou – Não consigo mais amar porque meu ex-namorado me magoou.

Na verdade tudo na vida só depende de nós. Se não somos felizes é porque não nos sentimos assim e não porque o outro nos deixou triste, tudo vem de dentro para fora.

Alegrias, tristezas, amores e até a cura para uma doença.

No meu caso a minha doença era espiritual, não via as coisas como tinha que ver.

Sempre que voltava a casa espírita para o tratamento espiritual, que eram passes magnéticos e de desobsessão, me sentia bem melhor, mas bastava acontecer algo errado, o que acontece todos os dias na vida da gente, pronto já recaía e sempre culpava os espíritos por tudo de ruim que me acontecia.

Meu marido até por não acreditar muito na época sempre me chamava atenção a respeito, ele dizia:

- Pare de achar que tudo é culpa dos espíritos, pois não é, se você não fizer a sua parte os passes não vou resolver e você vai voltar a ficar deprimida.

Quando eu ouvi essas palavras parece que uma chavinha dentro de mim virou, sempre lia muitos livros espíritas, ia nas palestras, tomava os passes e tentava realmente me mudar, mas estava colocando a minha “cura” nas pessoas ou nos livros que lia, sendo que na verdade eu precisava era olhar para dentro e expurgar o mal de dentro para fora.

Não bastava ler, era preciso ter fé naquilo que lia e não ficar com medo de tudo o tempo todo.

Então passei não só a ler e a ouvir e sim a sentir tudo o que estava em minha volta.

Sentir o carinho das pessoas, sentir meu protetor, sentir Deus em minha vida.

Em uma das minhas idas a casa espirita ouvi uma palestra sobre o poder da oração, de como fazer uma oração e a partir daí entendi o que me faltava para encerrar um ciclo e começar o próximo passo.

Meus queridos, não coloquem nas mãos dos outro as suas vidas, só você tem o poder de mudá-la.

Fiquem com Deus!

Pris!

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Indulgência


Hoje vou falar um pouco sobre indulgência.
O que é indulgência?
É você ter paciência com as pessoas num sentido mais amplo da palavra.
É respeitar as pessoas como elas são, com seus defeitos e virtudes.
Todos nós temos defeitos e julgar uma pessoa porque ela tem um defeito não é justo, ao invés de julgar,recriminar, porque nós não a ajudamos respeitando os seus limites.
Nós mesmos não gostamos quando alguém chega e impõe coisas para nós e se não gostamos que façam isso conosco porque fazer isso com os outros.
Devemos ajudar e não apontar o dedo.
Vamos olhar um pouco para nós mesmos e ver quais são os nossos defeitos e tentar corrigi-los antes de julgar ao outro, as vezes os nossos defeitos são ainda piores do que o daquela pessoa que você aponta e julga.
Vamos ter indulgência para com os outros.
Ontem ouvi uma frase que adorei ela é assim.
"Seja indulgente com o próximo como gostaria que fossem com você."
A indulgência não evidencia os defeitos das pessoas e sim suas virtudes.

Pris!

"Sede indulgentes meus amigos, porque indulgência acalma, corrige, enquanto o rigor desalenta, afasta e irrita". O Evangelho Segundo Espiritismo

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Dias Depois da primeira visita à casa espírita


Depois que voltamos da casa espírita, me senti muito estranha, mal conseguia me olhar no espelho, parecia que eu ia ver alguém atrás de mim.
Tive vergonha de perguntar para a Nane se aquilo era normal, sentia que tinha alguém sempre me olhando, me observando, era uma sensação horrível.
Um dia não levantei bem, estava sozinha em casa, mas parecia que haviam várias pessoas me rodeando, não pensei duas vezes liguei pra Nane e contei tudo o que estava acontecendo, ela me explicou pacientemente que tudo o que estava acontecendo era normal.
Normal porque quando passamos por um tempo sendo obsediado e esse obsessor se vai sentimos falta, é como se um pedaço nosso se fosse e que meu medo de olhar no espelho era porque inconscientemente eu tinha medo de ver meu obsessor.
Parece loucura, mas é verdade, do mesmo jeito que quando nos afastamos do nosso protetor sentimos falta de uma pessoa alegre e boa perto da gente.
Sempre sentimos falta de tudo que nos acostumamos a ter.
Depois que ela me explicou tudo entendi, que os espíritos que eu estava sentindo perto de mim, na verdade eram espíritos que sempre estiveram lá e como eu estava com a mediunidade “aberta” e porque eu digo isso, porque depois de ter ido na casa espírita por não saber lidar com a mediunidade eu fiquei mais sensível a tudo o que estava a minha volta.
Comecei a ler todos os dias o Evangelho Segundo o Espiritismo, procurava ter só pensamentos positivos e com o tempo fui melhorando, não sentia mais os espíritos perto de mim.
Sentia calma, paz e uma vontade enorme de mudar meu modo de vida, porque eu era muito nervosa, brigava por qualquer coisa, quase me separei nessa época por não ter paciência, mas quando comecei a estudar vi que a culpa era minha e com o conhecimento aprendi aos poucos a me controlar e a ver as coisas por outro ângulo.
Tive paciência para aprender trabalhos manuais, que sempre amei e nunca aprendi porque mal começava e já queria ver o fim, tudo ansiedade que hoje eu controlo e graças a isso hoje faço coisas que sempre quis fazer, mas por não saber me controlar não conseguia.
Só posso dizer que para aprender a lidar com os espíritos, antes tive que aprender a lidar comigo mesma.
Mas tudo isso foi só o começo.
Voltei várias vezes na casa espírita para o tratamento, já não me sentia tão perturbada, mas essa é outra história...

Fiquem com Deus!

Pris

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Senhor Carlos


Hoje vou apresentar para vocês o senhor Carlos.

Citei-o anteriormente, quando falei da minha primeira vez em uma casa espírita, hoje vou falar exclusivamente dele.

Ele foi para mim como um pai que socorre o filho num momento critico da vida, minha amiga me auxiliava, mas ela também estava aprendendo e muitas coisas ela também não sabia, foi aí que o senhor Carlos entrou em minha vida e um mundo novo se abriu diante de mim.

Quando estive lá na casa espírita pela primeira vez, no momento da desobsessão eu percebi que ele me olhava com tanto carinho, tanta ternura, que apesar do medo que sentia naquele momento, sentia também que alguém me segurava pela mão, como um pai segura o filho quando ensina a andar de bicicleta.

Eu me sentia envergonhada de ter atraído tantos espíritos para lá, lia nos livros que só pessoas “ruins” atraiam aquele tipo de espíritos.

O senhor Carlos, “lendo” meus pensamentos me disse:

- Filha, não se envergonhe de nada, esses irmãozinhos, só não sabem encontrar a luz e você os ajudou hoje. Você não deve se culpar, se fizer isso eles vão voltar, então ore e peça a Deus que os ajude.

Naquele momento chorei tanto, não sabia nem o que o dizer àquele homem, que até aquele momento eu sentia uma certa repulsa e mais uma vez ele me disse:

- Não se preocupe, o que você sentiu quando me viu foi normal, os espíritos que você trouxe te fizeram sentir isso, porque eles sabiam que eu ia encaminhá-los e eles não queriam partir.

Ele falava com mel nos lábios, me indicou alguns livros para melhor entender o que estava acontecendo (no final listarei alguns).

Quando voltei no mês seguinte ele estava um pouco adoentado, eu olhava para ele querendo lhe fazer várias perguntas, mas não tive coragem.

Ele era médium de cura e naquele dia não participou do passe de desobsessão, pois estava fazendo uma cirurgia espiritual, mas o senti tão próximo na hora do passe que podia jurar que ele estava lá novamente segurando a minha mão.

Voltei mais algumas vezes porque estava em tratamento e o passe era o melhor jeito de me manter em equilíbrio, mas ele já não estava mais indo por causa da sua doença. Ele já tinha uma certa idade e alguns problemas de saúde.

Ele era alto, pele clara, com certeza na juventude tinha cabelos loiros ou bem claros, seu olho não sei dizer a cor, porque quando olhava para seus olhos só via a bondade que havia neles.

Quando me via caída, desanimada abria o evangelho, lia uma passagem de lá e mentalizava o senhor Carlos e sentia ele próximo de mim.

Quando ele desencarnou, percebi que ele havia “voltado para casa”.

O Fernão sabendo da minha ligação com ele me ligou para avisar, mas não pude ir ao velório, orei por ele.

Posso dizer a vocês que até hoje eu o sinto perto de mim, inclusive agora enquanto escrevo para vocês.

O que mais posso dizer dessa pessoa tão boa, mais nada.

Só tenho a agradecer por tudo que ele fez por mim.

Obrigada senhor Carlos!!

Fiquem com Deus!

Pris.

Alguns livros que li e me marcaram com seus ensinamentos.

  1. Reconciliação
  2. Violetas na Janela
  3. Nosso Lar
  4. Os Mensageiros
  5. Laços Eternos
  6. Deixe-me Viver

Da codificação:

  1. O livros dos Espíritos
  2. O Evangelho Segundo o Espiritismo
  3. Livro dos Médiuns

Quando entramos pela primeira vez em uma casa espírita pensamos:

- Isso aqui é uma escola para santo.

Na verdade isso é o começo para uma vida melhor perto do nosso Pai.

Senhor Carlos

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Clube do Livro


Oi pessoal,

Achei na net um site com livros espíritas para download de graça, o Clube do Livro.
É simples, é só se cadastrar e baixar o livro que quiser.
Tem vários títulos ótimos e tem a codificação também.
Tem alguns livros em áudio, como, 50 anos depois e Nosso Lar.
Se quiser conferir o endereço é http://www.ulissesbatista.com.br

Boa Leitura para vocês.

Pris

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

A Amizade


Hoje vou fazer uma pausa em minha história para falar da importância da amizade em minha vida. Para quem leu os três últimos posts , acho que deu para perceber que essa minha amiga foi a “culpada” da minha evolução, pois bem, ela é “culpada” por muita coisa em minha vida. Essa minha amiga a Nane, entrou na minha vida na época da faculdade, fomos apresentadas por um amigo em comum, logo ela começou a namorar o Fernão,( o marido dela atualmente) , o Eder meu marido (na época namorado), era amigo do Fernão e são até hoje. A Nane e Fernão acompanharam meu namoro, noivado e foram padrinhos do meu casamento. Sempre pude contar com eles e eles conosco, nas horas boas e ruins, e foram muitas horas ruins, mas sempre estivemos um do lado do outro. Meu marido, não é só um companheiro, ele é meu alicerce, meu ponto de equilíbrio. Esses três são muito importantes para mim. Minha vida sem meus amigos não teria tanta graça, é bom você ter alguém com quem você pode contar, confiar, compartilhar. Hoje quando nós nos reunimos e vemos tudo o que passamos juntos, rimos muito, somos os irmãos que não tivemos, nossos filhos se consideram irmãos, eu tenho a minha princesa e eles tem o seu príncipe. Somos uma grande família. Meus amigos são à base de tudo para mim. Vocês podem estar pensando agora.- Nossa e a família dela, onde fica nisso? Minha família também me ajudou muito, amo meus familiares e sou muito grata por tudo que fizeram por mim. Sou uma pessoa abençoada por Deus, sou muito amada por todos. Todos aqueles que passaram por minha vida deixaram sua marca em mim, mesmo aqueles que hoje não tenho mais contato e até mesmo meus amigos no plano espiritual que me ajudam e me fortalecem. Amigo pra mim é uma dádiva de Deus, agradeço sempre a Ele por ter tantos amigos por perto e ao longo da minha história, vou mostrar como eles me ajudaram na minha jornada. Obrigada à todos os meus amigos.
Fiquem com Deus!


Pris Benedetti

A amizade converge de pontos afins, onde os corações se unem em plena fraternidade. (Miramez)

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

A Primeira vez em uma casa Espírita


Como disse na ultima postagem, a primeira vez que entrei numa casa espírita, foi depois de achar que estava enlouquecendo, via espíritos por toda parte, não sabia mais se estava viva ou morta, então procurei minha amiga pedindo ajuda.

Quando contei para ela o que estava acontecendo ela não teve dúvidas, eu tinha que ir em uma casa de desobsessão. Só de ouvir essa palavra eu já tremia de tanto medo, mas ou eu ia ou continuaria sofrendo com todas aquelas visões.

Marcamos o dia para ir, ela me pediu para que no dia eu não bebesse, nem comesse carne vermelha e para eu tentar me manter calma durante o dia, assim o fiz.

Quando foi dando a hora de ir comecei a me sentir estranha, não tinha vontade nem de sair do sofá, mas fomos.

Quando fui chegando perto da casa tive vontade de sair correndo. Entramos e logo na entrada eles me deram um passe energético. Começaram os trabalhos e tudo ia bem, quando entrou o senhor Carlos eu olhei pra ele e me senti muito incomodada e mal podia ouvir o que eles falavam.

Quando chamaram a gente para sala de passes para desobsessão eu tremia dos pés à cabeça, não tinha idéia do que ia acontecer.

Minha amiga e seu marido já haviam me explicado o que ia acontecer, mas entre saber e viver é bem diferente.

Entrei na sala e lá estava o senhor Carlos sentado em um sofá bem de frente para a cadeira em que eu me sentei.

Falavam para a gente rezar e foi o que eu fiz. Meu marido sentou do meu lado e segurou minha mão, quando os trabalhos começaram parecia que eu estava em outro lugar, os médiuns que estavam lá pra nos auxiliar incorporaram os espíritos que estavam comigo, um deles chegou a falar meu nome, sendo que ninguém ali me conhecia.

Fiquei ali um bom tempo, as pessoas saiam e eu ficava e cada vez que os trabalhos recomeçavam, recomeça minha luta também.

No final seu Carlos pediu para eu sentar ao seu lado, ele segurou a minha mão e me disse:

- Filha, você tem uma mediunidade muito grande, mas não sabe como lidar com isso, leia muitos livros, aprenda a doutrina a fundo que isso nunca mais vai acontecer com você e logo você estará trabalhando com a gente, vá em paz que eu vou cuidar de você. Quando tiver medo de novo pense em mim e na casa que tudo vai melhorar.

Eu agradeci e sai chorando de lá.

Voltei algumas vezes e sempre era tomada por algum espírito, o marido da minha amiga me chama até hoje de lotação, porque sempre que eu vou levo comigo alguns espíritos, mas hoje quando vou lá já não incorporo mais, sei me controlar, mas foram anos até chegar nesse ponto até porque naquela época nem sabia que incorporava.

Continua...

Pris Benedetti


A AMIZADE VERDADEIRA não é cega, mas se enxerga defeito nos corações amigos, sabe amá-los e entendê-los mesmo assim.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Pelo Amor ou Pela Dor


Pelo Amor ou Pela Dor

Essa frase faz parte da vida de todo espírita, mas pra ser sincera não sei bem por qual delas eu me dediquei ao estudo da doutrina e vou explicar porque.
Como disse anteriormente fui apresentada ao espiritismo por causa da minha culpa em relação a minha filha, culpa essa que hoje entendo que não tive, mas como todo iniciante ou doente quando a gente toma um remédio e passa a dor para o tratamento na metade, comigo foi mais ou menos assim.
Lia livros, fazia o evangelho no lar e com o tempo como me sentia melhor fui deixando de lado e pensava" à já sei como funciona". Minha amiga sempre me chamava para ir em casas espíritas, mas eu morria de medo de espíritos e não me via dentro de uma casa espírita.
O tempo foi passando e aí é que começou minha prova de fogo.
Não tinha muito conhecimento, acreditava em espíritos até porque sempre via vultos e isso era apavorante pra mim.
A primeira vez que eu tive um contato foi aos meus 11 anos, quando minha avó faleceu ela veio se despedir de mim, mas quando eu contava isso para as pessoas elas falavam de eu tinha sonhado, mas eu vi ela vindo era muito real e anos depois com o conhecimento eu tive a prova que realmente ela veio se despedir de mim.
Voltando ao assunto, quando eu pensava que todos os meus problemas já estavam "resolvidos", que era só ler os livros que minha amiga me emprestava, Deus me mostrou o que ele realmente queria de mim, comecei a ver muitos espíritos, cheguei a achar que tinha morrido e que estava presa na minha casa. A cada vez que eu atendia o telefone para mim era uma alegria e pensava “estou viva”.
Nessa época minha amiga por questões alheias não tinha mais tanto contato comigo, e as coisas só iam piorando, eu lia o evangelho em busca de melhora, mas não resolvia, até que numa noite...
Eu não estava conseguindo dormir e quando lá pelas 4:00hs da madrugada eu forcei dormir aconteceu o meu divisor de águas.
Deitada na cama quase dormindo vários espíritos me atacaram,acreditem, foi uma coisa que eu só tinha lido em livros até então.
Eles me puxavam e riam, falavam que eu era deles, foi uma cena pavorosa.
Imaginem, uma pessoa que morre de medo de espíritos, ver vários tentando arrancar você do seu corpo. Nesse momento comecei a chorar e a rezar e aos poucos eles se foram.
Fui atrás da minha amiga em pânico, pedindo ajuda e foi aí que entrei pela primeira vez em uma casa espírita, mas essa é outra historia, fica para próxima.
E é por isso que eu não sei se foi pelo amor ou pela dor, conheci pela dor da depressão mais só levei a sério por medo daqueles espíritos e por acreditar cegamente no amor de Deus por nós.
Até a próxima.

Pris Benedetti


"Diante da noite, não acuse as trevas. Aprenda a fazer lume". André Luiz

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

O Começo



Hoje vou contar como conheci o espiritismo.

Desde de menina, eu via vultos, sentia quando meus pais ou meus irmãos estavam precisando de alguma coisa, enfim sempre tive essa sensibilidade.

Quando já estava na adolescência, minhas amigas sempre vinham se aconselhar comigo, elas falavam seus problemas e eu sempre conseguia ajudá-las, mas depois que elas iam eu ficava muito mal, me sentia pesada, desanimada.

Minhas amigas me chamavam de “bruxinha” porque na maioria das vezes o que eu dizia pra elas que poderia acontecer realmente acontecia.

Logo que me casei quebrei o pé, e aí aconteceu a primeira prova que o mundo espiritual existe. Durante a cirurgia para a colocação de pinos no meu tornozelo, eu tive uma parada respiratória e vi minha avó, já falecida a 9 anos, num canto da sala de cirurgia e senti que tudo ia dar certo.

Depois da cirurgia eu sentia muita dor e mal conseguia dormir, então numa noite quando sentia muita dor estava tentando dormir eu vi duas pessoas mexendo no meu pé, sabia que eram espíritos, mas estava com tanta dor que nem tive medo, logo depois meu pé parou de dor e nunca mais dou. Eu achei que eram meus anjos da guarda e só agradeci.

Meses depois eu engravidei da minha única filha, foi uma gravidez complicada, por questão de saúde, sentia dentro de mim que ela não nasceria perfeita, mas pra mim se ela tivesse saúde bastaria.

Quando chegou a hora dela nascer, quase morri, tive alguns problemas na hora do parto e novamente vi minha avó do meu lado e me acalmei.

Minha filha nasceu com alguns problemas e quase morreu, mas felizmente ela superou as dificuldades e está linda e forte hoje.

Mas com esses problemas que ela nasceu as pessoas começaram a dizer que a culpa era minha e com isso caí em depressão e foi aí que minha melhor amiga me apresentou o espiritismo e foi aí que entendi que eu não tinha culpa e comecei a estudar e aprender.

Esse foi um resumo de como eu conheci o espiritismo, vou contar o meu passo - a - passo pra vocês de tudo o que passei e de tudo que superei até chegar aqui.


Pris Benedetti

“Retirar lucros eternos de perdas temporárias.”

André Luiz

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

O Evangelho no Lar


O culto do evangelho no lar é a reunião íntima e informal que todos nós devemos

realizar em nossas casas com os nossos familiares em benefício da harmonização da nossa casa.

Como devemos realiza-lo?

Primeiro, escolhemos um dia da semana e hora CERTA para fazê-lo.

Reunimos, os nossos familiares, fazemos uma prece e lemos um trecho do Evangelho Segundo o

Espiritismo, de Allan Kardec. Conversarmos sobre as páginas lidas, depois, uma prece de

encerramento. Podemos colocar, também, água a ser fluidificada, para depois bebermos.

Isso não é uma regra, porque ela pode ser adequada as necessidades de cada família. Por

exemplo, que tem crianças, para que elas possam, também, participar, é interessante fazermos

leituras de textos adequados à faixa etária das crianças. Outros gostam de fazer leitura do Livro

dos Espíritos. Outros, das obras de André Luiz.

Mas sempre se deve fazer a leitura do Evangelho Segundo o Espiritismo, porque a finalidade

precípua é fazer o Culto do EVANGELHO no Lar.

Para quê fazemos isso?

Todos nós sabemos que temos amigos espirituais e mesmo, às vezes em, nossas famílias, nem

todos os espíritos, ali reunidos, são espíritos afins. Muitas vezes,nos reunimos em família para

aprendermos a amar e perdoar e o Culto do Evangelho no Lar funciona como um elemento

catalisador,harmonizador, evangelizador para todos os que ali estão.

Quais são os benefícios que ele pode nos proporcionar?
O entendimento, a aproximação, a pacificação, a harmonização. O

Culto do Evangelho no Lar tem as maiores variações possíveis. Ele

não só serve para o nosso lar, como também serve como um foco de

luz para a nossa vizinhança, e até mesmo para a nossa rua e a

nossa localidade, onde moramos. Muitos poderão dizer: Mas, a única

pessoa espírita em minha casa sou eu! Outros poderão dizer: Eu

moro sozinho. Outros poderão dizer: Eu não tenho condição

espiritual para dirigir um culto. E eu só posso dizer a vocês o

seguinte: Sejam quais forem as dificuldades, tentem, comecem,façam.

Eu mesma, demorei um bom tempo até me acostumar a fazer de maneira certa, no dia certo.

Por um tempo, meu marido desistiu de fazer o evangelho, não entendia o porque de ter que ter

hora certa para fazer, porque da água, mas eu persisti e continue fazendo sozinha, com o tempo

ele foi vendo que as coisas estavam mais leva em casa, por causa da ação dos bons espirítos, ele

voltou a fazer comigo, e hoje não falhamos em nosso evangelho.

Por isso, meus queridos, não deixem de fazer o Culto do Evangelho

no seu lar. Ou, pelo ao menos, o hábito da leitura do Evangelho no seu lar, façam uma leitura do

Evangelho diariamente, na hora do café, ou do jantar ou do almoço.

O importante é a presença da leitura do Evangelho Segundo o Espiritismo em nossos lares.

Pris Benedetti

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Vamos Sorrir !




A vida é tão corrida, complicada e muitas vezes difícil e a gente gosta de complicar não é mesmo.
Vamos deixar tudo isso pra trás e vamos sorrir, isso mesmo sorrir, quando tudo parece perdido o melhor é sorrir, dar uma boa gargalhada, parece loucura mais não é.
Quando a gente sorri mudamos nossa vibração , atraímos coisas boas pra gente e tudo se resolve mais fácil.
Boas vibrações atraem boas vibrações, então quando tudo parecer perdido ria e tudo vai melhorar.

Pris Benedetti

"Faça questão de ser alegre e otimista.
Nada na terra pode destruir a felicidade do homem otimista e alegre.
Se lhe chegarem dores, receba-as com calma e não se deixe atingir por elas.
Não coloque sua felicidade no que vem de fora.
Construa sua felicidade dentro de você mesmo, fazendo consistir sua ventura no progresso constante da vida do espírito, na sabedoria do coração."
Minutos de Sabedoria
C. Torres Pastorino.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Começos de Tarefa


Diz você que deseja inicia-se nos serviços do bem.
Não perca tempo na indecisão.
Eis aqui alguns modelos para começar.
Experimente suportar sempre com paciência e carinho algum familiar de trato áspero.
Nos recintos onde surjam atividades de natureza coletiva, ampare espontâneamente a algum enfermo ou a essa ou àquela criança incomodada que requisitem atenção.
Procure, no campo do próprio dever, ofertar ao seu próprio trabalho alguns momentos de cooperação extra, sem a preocupação de obter gratificações ou elogios.
Busque tornar menos pesado o dia de algum companheiro que você saiba em provação.
Se você é o centro, mesmo involuntário, de algum fato desagradável, seja a primeira pessoa a sorrir, desfazendo tensões ou aborrecimentos capazes de aparecer.
Não reclame.
Não grite.
Não condene.
Não tema servir.
Não se queixe.
Aqui ficam algumas indicações para os companheiros que aspirem a matricular-se na Seara do Bem.
Depois de iniciado semelhante trabalho, do ponto de vista externo, então passaremos às tarefas da renovação íntima, que são muito mais complexas e mais difíceis, é claro.
André Luiz

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...