quarta-feira, 20 de julho de 2011

Direito dos Filhos?


São muitas as almas que andam sós pela Terra. Corações que, depois de longa convivência amorosa com o cônjuge, o viram partir, rumo à Espiritualidade.

Nos primeiros dias, a saudade machuca dolorosamente. Vão-se os dias, e a criatura tenta se recompor.

Renova hábitos, estabelece uma nova rotina de vida. Afinal, agora está só.

Antes, quando chegava do trabalho, sabia que um cafezinho o esperava. A esposa, sempre atenta, conhecia-lhe todos os horários e desejos.

Antes, os domingos eram recheados de alegrias. Saíam os dois, filhos crescidos e casados, a passeio.

Andavam pelo parque, iam a um restaurante, ao templo, ao cinema, ao teatro.

O retorno para casa era sempre o momento do aconchego. Do perfume da presença amada.

Agora, tudo está vazio. Parece que o próprio mobiliário perdeu o significado.

A cadeira era importante porque ali sentava o amado. A cama se fazia confortável porque ele estava ali, ao lado.

Tudo tinha significado especial. Agora, tudo está frio.

As horas se arrastam e não há muita diferença entre os dias da semana, os feriados, a hora de dormir, da refeição.

Então, um coração afetuoso se aproxima. Coloca flores na janela do coração ferido.

Tem uma conversa agradável. Também está só e sabe o que é isso. Esmera-se em ofertar o ombro para chorar a solidão, a mão para aquecer o sentimento.

A pouco e pouco, um sentimento vai brotando e amadurecendo. As duas almas almejam ficar juntas.

Desejam compartilhar aqueles momentos de amparo um ao outro, momentos em que cada qual se sente feliz, amparado.

É quase um retorno ao antes, embora não haja substituição no sentimento.

É uma nova perspectiva de vida. Um amanhecer. Um reinício.

Florescem esperanças, o sorriso volta a enfeitar o rosto, as rugas da tristeza cedem espaço.

E o casal se prepara para viver junto. Casar-se.

Nesse momento, os filhos de um e de outro se revoltam.

Ninguém substituirá nossa mãe!

Ninguém tomará o lugar de nosso pai!

E quem disse que alguém toma o lugar de alguém?

É uma outra pessoa, um outro viver.

Filhos egoístas os que assim se arvoram a impedir que o pai ou a mãe tenha uma nova oportunidade de viver com alegria.

Afinal, nas noites de solidão, eles estão com o velho pai ou se encontram em viagem com sua própria esposa e filhos?

Quando as lágrimas brotam abundantes, pela ausência tão sentida, eles estão ali para fazer companhia?

Todos os dias? Todas as horas?

Antes de ajustarem suas idas ao show, ao passeio, às férias, eles recordam de indagar se o pai ou mãe gostaria de acompanhá-los?

Ou mesmo, há lugar para ele ou ela?

Sim, eles visitam o pai ou a mãe, pela manhã do domingo, nas noites de sábado, telefonam, lancham juntos vez ou outra.

Acreditam que isso baste para quem vive só, depois de anos de aconchego matrimonial?

Que direito têm de exigir a solidão, em nome de uma pretensa fidelidade ao que partiu?

Acaso, quando eles decidiram se casar, sair do lar, alcançar vitórias na carreira, seus pais os impediram?

Não ficaram felizes com sua felicidade?

Que direito agora se arvoram os filhos de impedir que pais viúvos se consorciem, no intuito de se sentirem melhores?

Quem ama não agrilhoa, não coloca obstáculos à felicidade do outro.

Portanto, aquele que partiu, com certeza, está abençoando a alma generosa que se aproxima para auxiliar o amor que ficou na Terra.

Por isso tudo, meditemos a respeito e refaçamos nossa forma de pensar, de agir, com esses nossos queridos pais maduros, idosos, velhinhos.

Deixemo-los viver. Deixemo-los usufruir outra vez da felicidade conjugal.

E veremos, logo mais, o riso voltar à face, a alegria de viver movimentar-se nas veias, enfim, tudo voltar a ser motivo de vida.

Pensemos nisso!
 
Fonte: Redação Momento Espírita


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...