Pular para o conteúdo principal

Direito dos Filhos?


São muitas as almas que andam sós pela Terra. Corações que, depois de longa convivência amorosa com o cônjuge, o viram partir, rumo à Espiritualidade.

Nos primeiros dias, a saudade machuca dolorosamente. Vão-se os dias, e a criatura tenta se recompor.

Renova hábitos, estabelece uma nova rotina de vida. Afinal, agora está só.

Antes, quando chegava do trabalho, sabia que um cafezinho o esperava. A esposa, sempre atenta, conhecia-lhe todos os horários e desejos.

Antes, os domingos eram recheados de alegrias. Saíam os dois, filhos crescidos e casados, a passeio.

Andavam pelo parque, iam a um restaurante, ao templo, ao cinema, ao teatro.

O retorno para casa era sempre o momento do aconchego. Do perfume da presença amada.

Agora, tudo está vazio. Parece que o próprio mobiliário perdeu o significado.

A cadeira era importante porque ali sentava o amado. A cama se fazia confortável porque ele estava ali, ao lado.

Tudo tinha significado especial. Agora, tudo está frio.

As horas se arrastam e não há muita diferença entre os dias da semana, os feriados, a hora de dormir, da refeição.

Então, um coração afetuoso se aproxima. Coloca flores na janela do coração ferido.

Tem uma conversa agradável. Também está só e sabe o que é isso. Esmera-se em ofertar o ombro para chorar a solidão, a mão para aquecer o sentimento.

A pouco e pouco, um sentimento vai brotando e amadurecendo. As duas almas almejam ficar juntas.

Desejam compartilhar aqueles momentos de amparo um ao outro, momentos em que cada qual se sente feliz, amparado.

É quase um retorno ao antes, embora não haja substituição no sentimento.

É uma nova perspectiva de vida. Um amanhecer. Um reinício.

Florescem esperanças, o sorriso volta a enfeitar o rosto, as rugas da tristeza cedem espaço.

E o casal se prepara para viver junto. Casar-se.

Nesse momento, os filhos de um e de outro se revoltam.

Ninguém substituirá nossa mãe!

Ninguém tomará o lugar de nosso pai!

E quem disse que alguém toma o lugar de alguém?

É uma outra pessoa, um outro viver.

Filhos egoístas os que assim se arvoram a impedir que o pai ou a mãe tenha uma nova oportunidade de viver com alegria.

Afinal, nas noites de solidão, eles estão com o velho pai ou se encontram em viagem com sua própria esposa e filhos?

Quando as lágrimas brotam abundantes, pela ausência tão sentida, eles estão ali para fazer companhia?

Todos os dias? Todas as horas?

Antes de ajustarem suas idas ao show, ao passeio, às férias, eles recordam de indagar se o pai ou mãe gostaria de acompanhá-los?

Ou mesmo, há lugar para ele ou ela?

Sim, eles visitam o pai ou a mãe, pela manhã do domingo, nas noites de sábado, telefonam, lancham juntos vez ou outra.

Acreditam que isso baste para quem vive só, depois de anos de aconchego matrimonial?

Que direito têm de exigir a solidão, em nome de uma pretensa fidelidade ao que partiu?

Acaso, quando eles decidiram se casar, sair do lar, alcançar vitórias na carreira, seus pais os impediram?

Não ficaram felizes com sua felicidade?

Que direito agora se arvoram os filhos de impedir que pais viúvos se consorciem, no intuito de se sentirem melhores?

Quem ama não agrilhoa, não coloca obstáculos à felicidade do outro.

Portanto, aquele que partiu, com certeza, está abençoando a alma generosa que se aproxima para auxiliar o amor que ficou na Terra.

Por isso tudo, meditemos a respeito e refaçamos nossa forma de pensar, de agir, com esses nossos queridos pais maduros, idosos, velhinhos.

Deixemo-los viver. Deixemo-los usufruir outra vez da felicidade conjugal.

E veremos, logo mais, o riso voltar à face, a alegria de viver movimentar-se nas veias, enfim, tudo voltar a ser motivo de vida.

Pensemos nisso!
 
Fonte: Redação Momento Espírita


Comentários

  1. Extremamente pertinente este texto minha querida.
    Ninguém é dono de ninguém.
    Assim como gostamos de ser livres e fazer nossas escolhas, temos que aceitar estes mesmos direitos nas demais pessoas, sejam elas quem forem em nossas vidas.
    Cada um tem direito de acertar ou até mesmo errar por conta de suas escolhas e na busca em ser feliz.
    Bom final de semana...beijos amiga
    Valéria

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Meus queridos amigos!
Obrigada pelo carinho e atenção de todos vocês!
Seus comentários são muito importantes pra mim.
Beijinhos

Pris

Postagens mais visitadas deste blog

Segredos da Alma

Essa semana terminei de ler o livro Segredos da Alma ( escrito por Mônica de Castro- ditado por Leonel). Confesso que foi difícil terminar de lê-lo, primeiro porque a escritora é muito detalhista e eu estou acostumada a uma leitura mais dinâmica e segundo porque por várias vezes fiquei abismada com as atitudes da personagem principal. Vou fazer um breve, bem breve, resumo do livro.
A personagem principal é Althea; ela fica muito tempo presa no umbral por seus algozes Decius que julga ama-la e Rupert o chefe. Ela se arrepende de seus erros e é resgatada pelo seu avô Joseph. Depois de recuperada ela assume uma missão e volta como Vivian.
Nessa nova oportunidade, ela teria que conter os seus instintos de mulher sedutora, teria também que resgatar algumas dívidas e ser escritora, coisa difícil, pois ela volta na Inglaterra do século XVIII, onde as mulheres não podiam ser escritoras.
Ela é orientada por seu avô e obsediada por Decius e Rupert e infelizmente Vivian sempre sede as obsessões esc…

Mensagem Espírita de Fim de Ano

Hoje é o dia que dá início a um novo ano. 
É o dia primeiro. 
Todos queremos iniciar mais um ano com esperanças renovadas.
É um momento de alegria e confraternização. 
As rogativas, em geral, são para que se tenha muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender. Mas será que se tivermos tudo isso teremos a garantia de um ano novo cheio de felicidade? Se Deus nos dá saúde, o que normalmente ocorre é que tratamos de acabar com ela em nome das festas.
Seja com os excessos na alimentação, bebidas alcoólicas, tabaco, ou outras drogas não menos prejudiciais à saúde. 
Não nos damos conta de que a nossa saúde depende de nós. Dessa forma, se quisermos um bom ano, teremos que fazer a nossa parte. Se pararmos para analisar o que significa a passagem do ano, perceberemos que nada se modifica externamente. 
Tudo continua sendo como na véspera. 
Os doentes continuam doentes, os que estão no cárcere permanecem encarcerados, os infelizes continuam os mesmos, os criminosos seguem arquitetando seus crimes, e assi…

Fluidos, Sugadores de Energia, Parte 2/6

NECESSIDADE DE UMA CARGA ENERGÉTICA VITAL
Todos nós possuímos necessidade de umacargaenergética vitalparanutrirnossoscorposfísicoe espiritual. A medida que gastamos a carga energética vital ela deve ser reposta, os mecanismos naturais de recomposição (respiração, alimentação, absorção fluido Cósmico universal e fluido vitais através dos chacras, etc). A reposição dessa carga energética vital na quantidade mínima que necessitamos para manter a vida depende de vários fatores, tais como: o modo de vida, o meio, a qualidadedospensamentos, dos sentimentos, das sensações, entre outros.
NUTRIÇÃO ENERGÉTICA
Uma parte da energia que precisamos nós obtemos através da alimentação, ou seja, através de comida sólida e líquida, o arroz-feijão de cada dia. Outra parte das energias vitais, absorvemos através da respiração. Porém, a maior parte de energia Vital que necessitamos é extraído do Fluido Cósmico Universalque é absorvido diretamente pelo perispírito através dos centros de forças. Nossa nutrição e…