Pular para o conteúdo principal

O Inferno à luz da Doutrina Espírita



       A idéia mais comum de inferno como um determinado local, no interior da Terra, onde as almas são condenadas a viver, eternamente, em verdadeiro suplício como conseqüência dos erros cometidos, não é aceita pelo Espiritismo. De acordo com a Doutrina Espírita, o inferno é estado íntimo de espírito, ainda sintonizado com o mal, seja desencarnado ou encarnado. Mas é uma situação temporária, da qual se liberta com o progresso moral, conquistado através das encarnações. Não é uma situação permanente, irreversível. 
        Pode-se argumentar que o próprio Cristo ameaçou os homens maus com o fogo eterno. Sem dúvida, se pesquisarmos nas traduções tradicionais dos textos evangélicos, encontraremos a referência de Jesus ao fogo eterno. Mas, se aprofundarmos um pouco mais no estudo, veremos que o pensamento de Jesus não é draconiano. Carlos Torres Pastorino, que era professor de grego na Universidade de Brasília, em seus estudos evangélicos, esclarece-nos que a palavra grega que adjetiva o substantivo fogo não foi adequadamente traduzida, porquanto a melhor tradução não é "eterno", mas sim "imanente". A mudança de sentido é muito grande. Imanente se refere ao estado íntimo da criatura e não tem o caráter de irreversibilidade que tem o adjetivo eterno. 
        Com esta tradução, o pensamento de Jesus fica mais coerente com a sua personalidade, que exterioriza profundo amor e misericórdia. 
        Como afirmamos acima, o inferno íntimo pode ser um estado do espírito encarnado, mas é pior após a desencarnação, porque o corpo material como que amortece a dor da consciência. No Mundo Espiritual, o espírito compreende melhor as leis de Deus e percebe, com mais nitidez, a gravidade dos erros cometidos, motivo por que sofre mais. 
        Um outro aspecto que precisa ser ressaltado é que os espíritos endurecidos, vinculados ao mal, permanecem, por tempo mais ou menos longo, em regiões inferiores do Plano Espiritual, denominadas por André Luiz de umbral. Neste estado, o espírito sofre muito. Embora o umbral corresponda, em vários aspectos, ao inferno descrito classicamente, a permanência do espírito nessa situação é temporária e depende dele mesmo, que sairá, tanto mais rapidamente, quanto mais cedo mudar a sua situação íntima, manifestando o desejo de melhorar. Os "demônios" que se encontram naquelas regiões são espíritos de pessoas de índole má, que se recusam a melhorar-se. 
        Os espíritos bons e os que não são endurecidos, após a desencarnação, habitam em colônias espirituais, onde a vida é melhor do que a da Terra. Os espíritos que se melhoram no umbral também são recolhidos a colônias, naturalmente menos evoluídas, mas onde o bem domina completamente. 
        Compete, pois, à própria pessoa edificar, ou se libertar do inferno interior.


Umberto Ferreira


Fonte: Revista "Reformador"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Segredos da Alma

Essa semana terminei de ler o livro Segredos da Alma ( escrito por Mônica de Castro- ditado por Leonel). Confesso que foi difícil terminar de lê-lo, primeiro porque a escritora é muito detalhista e eu estou acostumada a uma leitura mais dinâmica e segundo porque por várias vezes fiquei abismada com as atitudes da personagem principal. Vou fazer um breve, bem breve, resumo do livro.
A personagem principal é Althea; ela fica muito tempo presa no umbral por seus algozes Decius que julga ama-la e Rupert o chefe. Ela se arrepende de seus erros e é resgatada pelo seu avô Joseph. Depois de recuperada ela assume uma missão e volta como Vivian.
Nessa nova oportunidade, ela teria que conter os seus instintos de mulher sedutora, teria também que resgatar algumas dívidas e ser escritora, coisa difícil, pois ela volta na Inglaterra do século XVIII, onde as mulheres não podiam ser escritoras.
Ela é orientada por seu avô e obsediada por Decius e Rupert e infelizmente Vivian sempre sede as obsessões esc…

Mensagem Espírita de Fim de Ano

Hoje é o dia que dá início a um novo ano. 
É o dia primeiro. 
Todos queremos iniciar mais um ano com esperanças renovadas.
É um momento de alegria e confraternização. 
As rogativas, em geral, são para que se tenha muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender. Mas será que se tivermos tudo isso teremos a garantia de um ano novo cheio de felicidade? Se Deus nos dá saúde, o que normalmente ocorre é que tratamos de acabar com ela em nome das festas.
Seja com os excessos na alimentação, bebidas alcoólicas, tabaco, ou outras drogas não menos prejudiciais à saúde. 
Não nos damos conta de que a nossa saúde depende de nós. Dessa forma, se quisermos um bom ano, teremos que fazer a nossa parte. Se pararmos para analisar o que significa a passagem do ano, perceberemos que nada se modifica externamente. 
Tudo continua sendo como na véspera. 
Os doentes continuam doentes, os que estão no cárcere permanecem encarcerados, os infelizes continuam os mesmos, os criminosos seguem arquitetando seus crimes, e assi…

Fluidos, Sugadores de Energia, Parte 2/6

NECESSIDADE DE UMA CARGA ENERGÉTICA VITAL
Todos nós possuímos necessidade de umacargaenergética vitalparanutrirnossoscorposfísicoe espiritual. A medida que gastamos a carga energética vital ela deve ser reposta, os mecanismos naturais de recomposição (respiração, alimentação, absorção fluido Cósmico universal e fluido vitais através dos chacras, etc). A reposição dessa carga energética vital na quantidade mínima que necessitamos para manter a vida depende de vários fatores, tais como: o modo de vida, o meio, a qualidadedospensamentos, dos sentimentos, das sensações, entre outros.
NUTRIÇÃO ENERGÉTICA
Uma parte da energia que precisamos nós obtemos através da alimentação, ou seja, através de comida sólida e líquida, o arroz-feijão de cada dia. Outra parte das energias vitais, absorvemos através da respiração. Porém, a maior parte de energia Vital que necessitamos é extraído do Fluido Cósmico Universalque é absorvido diretamente pelo perispírito através dos centros de forças. Nossa nutrição e…