segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Resignação e Resistência

       
        De fato, há que se estudar a resignação para que a paciência não a venha trazer resultados contraproducentes. 
        Um lavrador suportará corajosamente aguaceiro e granizo na plantação, mas não se acomodará com gafanhoto e tiririca. 
        Habitualmente, falamos em tolerância como quem procura esconderijo à própria ociosidade. Se nos refestelamos em conforto e vantagens imediatas, no império da materialidade passageira, que nos importam desconforto e desvantagens para os outros? 
        Esquecemo-nos de que o incêndio vizinho é ameaça de fogo em nossa casa e, de imprevisto, irrompem chamas junto de nós, comprometendo-nos a segurança e fulminando-nos a ilusória tranquilidade. 
        Todos necessitamos ajustar resignação no lugar certo. 
        Se a Lei nos apresenta um desatre inevitável, não é justo nos desmantelemos em  gritaria e inconformação. É preciso decisão para tomar os remanescentes  e reentretecê-los para o bem, no tear da vida. 
        Se as circunstâncias revelam a incursão do tifo, não é compreensível cruzar os braços e deixar campo livre aos bacilos. 
        Sempre aconselhável a revisão de nossas atitudes no setor da conformidade. 
        Como reagimos diante do sofrimento e do mal? 
        Se aceitamos penúria, detestando trabalho, nossa pobreza resulta de compulsório merecimento. 
        Civilização significa trabalho contínuo contra a barbárie. 
        Higiene expressa atividade infinitamente repetida contra a imundície. 
        Nos domínios da alma, todas as conquistas do ser, no rumo da sublimação, pedem harmonia com ação persistente para que se preservem. 
        Paz pronta ao alarme. Construção do bem com dispositivo de segurança. 
        Serenidade é constância operosa; esperança é ideal com serviço. 
        Ninguém cultive resignação diante do mal declarado e removível, sob pena de agravá-lo e sofrer-lhe clava mortífera. 
        Estudemos resignação em Jesus-Cristo. A cruz do Mestre não é um símbolo de apassivamento à frente da astúcia e da crueldade e sim mensagem de resistência contra a mentira e a criminalidade mascaradas de religião, num protesto firme que perdura até hoje.


Texto extraído do livro "Estude e Viva" - Emmanuel e André Luiz 
Psicogradado por Francisco C. Xavier e Waldo Vieira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Meus queridos amigos!
Obrigada pelo carinho e atenção de todos vocês!
Seus comentários são muito importantes pra mim.
Beijinhos

Pris

De Volta para Casa

Recebi esse vídeo hoje de uma amiga muito querida e gostaria de compartilhar com vocês. Esse vídeo me fez repensar sobre vários aspectos da...